MT, 16/01/18

ATRASADOS : Governo levará 10 anos para pagar R$ 350 milhões em duodécimos aos Poderes

GAZETA DIGITAL

Janaiara Soares, repórter de A Gazeta     O presidente da Comissão Especial que estuda a Proposta de Emenda a Constituição (PEC) do Teto de Gastos, deputado estadual Guilherme Maluf (PSDB) afirmou que o Governo do Estado levará mais de 10 anos para pagar a dívida superior a R$ 350 milhões junto aos Poderes referente a parcelas de duodécimo atrasados. Divulgação
De acordo com a proposta apresentada pelo governo, as destinações de recursos provenientes de excesso de arrecadação serão para a quitação de restos a pagar, investimentos nas áreas de saúde, educação assistência social, segurança pública e na atividade jurisdicional. Apenas 20% desse total deve ser usado para quitação dos valores de duodécimos. “Esse vai ser um ponto polêmico e precisa ser bem discutido. O executivo tem um déficit com os Poderes e, com a proposta que o governo faz de repactuação com 20% do excesso, levaremos mais de 10 anos para pagar tudo que está atrasado. Alguns Poderes não podem abrir mão de tudo que precisam receber, porque já pactuaram pagamentos, mas a esperança é chegar a um consenso”, disse Maluf. Além disso, os Poderes buscam maior entendimento quanto ao congelamento dos repasses feitos aos órgãos pelos próximos 10 anos. O texto prevê que, no exercício de 2018, o orçamento será no valor do crédito autorizado em 2016 com acréscimo de 7,5%. Nos anos seguintes, o orçamento passa a ser o do ano anterior corrigido pela inflação oficial (Índice de Preços ao Consumidor Amplo - IPCA), medido por 12 meses encerrando em junho de cada ano. A verificação será pelas despesas primárias correntes empenhadas em cada exercício. Maurício Barbant

Deputado Guilherme Maluf “A maior preocupação é não perder, ao longo dos anos, o que foi praticado nos últimos anos. Algumas realidades mudaram muito, ninguém está pensando em ter aumento significativo. Agora tem alguns com mais dificuldade porque eles precisam expandir, como o Tribunal de Justiça e o Ministério Público. Então, os diferentes precisam ser tratados de forma diferente”, ressaltou o tucano. A preocupação do Poder Executivo é quanto a despesa primária corrente que teve um grande salto de 2008 a 2016. A PEC seria o caminho para o controle das contas públicas, a fim de evitar o desequilíbrio financeiro. Em 2008, a despesa primária representava 78,88% da receita primária. Já em 2016, a despesa chegou a 91,75% da receita primária. “Temos que entender que estamos tratando de 10 anos e esse marasmo não deve permanecer por todo esse tempo. Os poderes querem deixar essa regra da repactuação clara, quando melhorar isso deve mudar”. 

Pm recupera moto tomada em assalto em Jaciara
+ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Publicidade

Publicidade